Em tempos de pandemia, cuidar das crianças é essencial.

Em tempos de pandemia, cuidar das crianças é essencial.

Pediatra esclarece principais dúvidas dos pais com coronavírus. 

Em todo o mundo, mais de 120 mil mortes já foram registradas por coronavírus e, no Brasil, os casos confirmados já chegam aos 23 mil. Muito além de números, algo que deve ser pensado, principalmente pelos pais, é o cuidado com as crianças nesse período.

Aulas suspensas, filhos em casa e muitas incertezas cercam neste momento e, para sanar algumas dúvidas, contamos com a ajuda da pediatra e neonatologista do Madrecor Hospital, Priscilla Duprat.

A pediatra esclarece que a doença é muito nova e que todos estão aprendendo com ela e, em relação às crianças, os cuidados tem de ser tomados, pois elas também podem contrair a doença. “As crianças pegam na mesma proporção dos adultos, porém o que mostram os estudos é que a doença é menos grave em crianças.”

Apesar do coronavírus ser menos grave em crianças, Priscilla reforça que, entre elas, também existem aquelas que podem ser consideradas como grupo de risco e merecem atenção dos pais. “Na faixa etária infantil, existe o grupo considerado de risco, que são as crianças menores de 2 anos, as que tenham doenças crônicas cardíacas, renais e pulmonares, além de crianças com imunossupressão,” alerta a pediatra.

No geral, ela explica que as crianças com coronavírus terão sintomas bem leves ou são assintomáticas, o que requer cuidados, pois elas são fontes de transmissão. “As crianças são sim fonte de transmissão da doença para familiares e outras pessoas do grupo de risco, por isso as aulas foram suspensas e a maior recomendação, no momento é ficar em casa. Os sintomas do coronavírus, em sua maioria, são semelhantes aos de uma gripe, incluindo:  obstrução nasal, coriza, espirros, dor de garganta e febre.”

Aos pais que sempre se perguntam quando devem levar os filhos ao hospital, Priscilla explica que a atenção aos sintomas que a criança tem é de extrema importância, além de uma conversa com o pediatra, que pode ser feita através da teleconsulta, modalidade em que o médico pode acompanhar a criança à distância. “Os pais devem ficar atentos aos sinais de alarme que as crianças podem dar e que indicam que algo pode estar errado. Alguns deles são: dificuldade em completes frases e ter de parar para respirar, ficar mais quieto, sonolento, se alimentar pouco e ingerir pouca água e ter febre que não melhora com a medicação adequada.”

Muito além dos esclarecimentos que a pediatra faz, é necessário relembrarmos algumas dicas essenciais para esse período, principalmente no que diz respeito às crianças e Priscilla reforça algumas delas:

  • Ficar em casa;
  • Evitar aglomerações e sair de casa apenas quando necessário;
  • Caso precise sair de casa, usar máscara;
  • Sempre lavar as mãos para manusear alimentos e ao se alimentar;
  • Não colocar as mãos nos olhos, boca, nariz e ouvidos, principalmente quando estiver fora de casa.

 

 

 

 

Deixar comentário