Como ativar a felicidade e vive-la em sua plenitude?

Como ativar a felicidade e vive-la em sua plenitude?

Especialistas explicam como estimular a produção das substâncias da felicidade.

Para muitos, a felicidade se resume apenas a um sentimento, para outros em conquistas materiais e saúde em dia. Essa sensação provém de diversas fontes e hoje, no Dia Internacional da Felicidade, vamos desvendar juntos como o nosso corpo e mente trabalham juntos para gerar esse sentimento.

Nosso organismo é uma máquina perfeita e, dentro dele, existem diversos hormônios, que executam funções que regulam as atividades do nosso corpo e, com a felicidade não seria diferente. De acordo com o neurologista do Madrecor Hospital, Lauro Figueira Pinto, existem substâncias químicas, que nos auxiliam a viver momentos felizes, sendo elas a serotonina, dopamina, oxitocina, endorfinas e a noradrenalina. “O nosso corpo pode produzir as substâncias relacionadas à felicidade de diversas formas, como por exemplo: satisfação ao atingir um objetivo pessoal, que está ligado à produção de Serotonina e Dopamina; um encontro familiar ou social e a alegria de um abraço está ligada a produção de Dopamina e Serotonina e os exercícios físicos produzem Serotonina, noradrenalina e endorfinas, atuando fortemente contra dor e depressão. Quando feitos de forma regular e com objetivos determinados, ocorre também a liberação de Dopamina que motiva o indivíduo a manter a prática diária,” explica.

Porém, segundo o neurologista, quando alguém tem desequilíbrios relacionados à produção dessas substâncias, o corpo pode apresentar diversos sintomas e é necessária uma observação mais detalhada. “Vários são os desequilíbrios que podem ocorrer, a depender da situação e da substância em declínio. Déficits de Serotonina e Noradrenalina podem levar à apatia, depressão e ansiedade. Já níveis baixos de Serotonina e Endorfinas podem ser encontrados em indivíduos com dor difusa, como acontece na fibromialgia,” esclarece.

E para quem deseja ter níveis saudáveis dessas substâncias, o especialista recomenda algumas práticas. “Manter exercícios regulares, vínculos familiares e sociais fortes, metas e planos sociais são ótimas maneiras de manter-se bem.”

Felicidade: cultive-a por si próprio

Você já parou para pensar que a sua felicidade é um estado seu e de mais ninguém? Já percebeu que, muitas vezes, nosso humor fica preso à outras pessoas? Em tom de alerta, a psicóloga do Madrecor Hospital Andréa Botelho nos adverte que, primeiro, devemos cuidar da nossa felicidade e que ela depende apenas de nós. “Na maioria das vezes, estamos em companhia de outras pessoas, e colocamos nosso humor dependentes delas. Precisamos aprender a sermos felizes nos nossos próprios termos e não deixar nossa felicidade depender dos outros ou de fatores externos.”

Além disso, assumirmos o controle de nossas vidas e caminhos pode ajudar a entender como o processo da felicidade é construído para que possamos vive-la verdadeiramente. “Tome as rédeas de sua vida e reflita sobre si mesmo, investigue o seu interior em busca de respostas. Talvez você queira viver muito rápido ou mostrar aos outros o que você pode fazer. Esteja ciente de que, provavelmente você só procurou agradar aos outros, mas nunca parou para pensar sobre o que você realmente precisa ou quer.”

Para Andréa, a chave para a felicidade está em nos conhecermos bem, entendermos aquilo que nos afeta positiva ou negativamente para, assim, conseguirmos cuidar bem de nós mesmos. “A maior sabedoria reside precisamente na compreensão de nós mesmos, para que então possamos reagir em conformidade e em harmonia com as nossas emoções. Seremos mais honestos, mais simples, e não só poderemos ser um pouco mais felizes, mas também poderemos levar felicidade aos outros,” finaliza.

 

 

Deixar comentário