Dia dos Namorados: saiba como se proteger contra DSTs

Dia dos Namorados: saiba como se proteger contra DSTs

Com a chegada do dia dos namorados, a preocupação de muitos casais é como presentear o seu cônjuge. Claro que flores, chocolates e outros mimos são sempre bem-vindos, mas mais importante que isso é relembrar um assunto relevante e presente na vida de todos os casais e das pessoas em geral: a prevenção contra doenças sexualmente transmissíveis. E já que quem ama, cuida, aproveite este momento para saber como se proteger das DSTs.

Segundo o Dr. Jorge Brum, ginecologista do Madrecor Hospital, a melhor forma de se proteger de doenças sexualmente transmissíveis é a prevenção.  Portanto, confira seis DSTs predominantes entre jovens brasileiros, de acordo com uma pesquisa realizada pela BBC, e saiba como preveni-las.

HIV/Aids: a Aids é causada pelo vírus da imunodeficiência, que destrói o sistema imunológico do organismo. O diagnóstico do vírus é possível por meio de exames específicos para o HIV. É importante frisar que os sintomas podem não aparecer nas fases iniciais da doença ou serem confundidos com uma simples virose. Portanto, é fundamental realizar os exames para diagnóstico se houver risco de contaminação.

Segundo dados do Ministério da Saúde, aproximadamente 112 mil brasileiros possuem o vírus, mas não sabem. Existe um tratamento para controle da doença, porém ela não pode ser curada, por isso a prevenção é tão importante.

Para se prevenir, use preservativos durante todas as relações sexuais, independente de quem seja. Na necessidade de entrar em contato com objetos perfurocortantes, aqueles que podem causar ferimento e entrar em contato com o sangue, prefira os descartáveis.

Caso não possa ser descartável, como alicates de unha ou lâminas de depilação, é aconselhado que você tenha o seu próprio objeto e não compartilhe com outras pessoas.

Lembre-se de que objetos perfurocortantes utilizados por dentistas, estúdios de tatuagem e acupuntura não fogem do risco de estarem contaminados, por isso é importante exigir e se certificar de que os materiais estejam esterilizados

As mulheres grávidas que possuem o vírus devem entrar em contato com seu médico para receber o tratamento adequado, evitando transmitir o vírus para o filho durante o parto.

Sífilis: é transmitida por uma bactéria e tem alto potencial de infecção, podendo ser transmitida por relações sexuais ou da gestante para o bebê. Os sintomas   basicamente são feridas na região genital (primeira fase) e manchas no corpo que parecem alergia (segunda fase). O tratamento é feito com penicilina. Salientamos que o tratamento feito no tempo correto é capaz de erradicar a bactéria e não deixar nenhuma sequela para o paciente. É fundamental tratar o parceiro, mesmo que não tenha sintomas.

Para se prevenir, utilize sempre preservativos durante as relações sexuais. Pessoas com vida sexual ativa ou que tiveram/costumam ter relações sexuais desprotegidas devem realizar o teste para saber se têm a doença, independente da aparição dos sintomas.

HPV: os principais sintomas são formações verrugosas que podem aparecer nas áreas genitais e/ou na boca e garganta. A principal forma de transmissão é pelo sexo, inclusive pelo sexo oral. O vírus depois de contraído pode ficar latente (dormindo), por vários anos sem que haja aparição dos sintomas. Gostaríamos de enfatizar que alguns tipos de vírus do HPV aumentam o risco de câncer de colo de útero.

Para se prevenir, além do uso de preservativos, é recomendada a vacinação contra o vírus, mesmo que você já tenha iniciado a vida sexual.

Gonorreia:  é causada por uma bactéria que infecciona principalmente a uretra e o trato genital. O sintoma mais comum é o corrimento na região genital, além de dor ou ardor ao urinar, dor ou sangramento na relação sexual, e, nos homens, pode causar também dor nos testículos.

A maioria das mulheres pode não apresentar sintomas. Se não tratada, a doença pode causar infertilidade e outras complicações. O tratamento é feito com antibióticos.

Para se prevenir, use sempre o preservativo e certifique-se que o parceiro foi corretamente tratado caso possua a doença.

Herpes genital: causa pequenas bolhas e lesões dolorosas na região genital, podendo ter coceira, dor ao urinar e febre. Não é possível erradicar o vírus, mas os sintomas têm cura, porém podem reaparecer quando a imunidade está baixa.

Para se prevenir:  a única forma de prevenção é o uso de preservativos durante as relações sexuais.

Hepatite B ou C: causadas por um vírus, essas doenças podem ser transmitidas sexualmente, por transfusão de sangue, compartilhamento de materiais perfurocortantes, entre outros. Elas podem causar danos graves ao fígado, como cirrose ou mesmo câncer. Os sintomas no início geralmente são cansaço, tontura, enjoo e olhos amarelados. O tratamento exige medicamentos e medidas comportamentais como o término da ingestão de bebidas alcoólicas.

Para se prevenir, use sempre preservativo durante as relações sexuais, realize exames de rotina e seja vacinado contra a hepatite B – a vacina é gratuita na rede pública.

Deixar comentário